MENU

quarta-feira, 27 de abril de 2016

O Cafofo Literário


Diário de Busca | resenha.

 

Nesses primeiros quatro meses do ano, achei que não leria nada diferente do que estou habituada. Porém, graças a uma parceria com os autores W-SOUZA, li aquele livro que me fez questionar a própria existência humana.

Quando recebi o exemplar imaginei que se tratava de uma expedição em terra firme (algo meio parecido com Tarzan ou O Mundo Perdido), mas para minha surpresa, os autores se superaram e foram ainda mais além em sua busca.

Da primeira vez que li, o fiz com olhos de uma leitora ansiosa, mas da segunda vez, o livro ficou ainda mais complexo e completamente mais interessante do que antes, fazendo DIÁRIO DE BUSCA se tornar o livro mais inesperado e surpreendente desses primeiros quatro meses de 2016.




Mayday! Mayday!




O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.
Aprendeu com sua mãe a ser persistente, a lutar pelo que acredita, e pensou: É como dizia um velho amigo - Para o obstinado, o tropeço é apenas um empurrão para seguir em frente.
Agradeceu, despediu-se, pegou a mochila, e virando a aba do boné para trás, gesto que fazia quando estava indignado, partiu, sorrindo apenas para a secretária.
Jamais desistiria, não era o perfil dos Di Carlli. Dali foi direto para a biblioteca preparar o material para uma próxima possível expedição.”




Leopoldo é um menininho curioso e matreiro que prefere a biblioteca do que jogar bola. Durante de suas aventuras na Biblioteca do Vaticano, descobre um livro velho e empoeirado chamado “Civilizações Antigas”, sem pensar duas vezes se joga na história. Quanto mais lê, mais tem o desejo de se tornar um arqueólogo. Porém a vida às vezes te prega peças, antes de lhe dar uma recompensa. No caso de Leo, sua vida foi uma sucessão de perdas: seus pais, sua esposa, seu filho e nora... tendo que, quase no final de sua vida, cuidar de seu neto.

Leopoldo conseguiu sim tornar-se um renomado arqueólogo, mas a descoberta maior, foi seu neto quem fez. Enquanto ajudava o avô digitalizando todos os mapas e arquivos no computador, Tony DiCarlli nota uma singularidade: duas imagens distintas se completavam: uma no Egito e outra em Machu-Picchu. Parou imediatamente e começou a analisar mais e mais fotos, estabelecendo relações entre elas. Ao final, vinte imagens se completavam formando um mapa que apontava a um único ponto.

Tony e Leopoldo viajam ao México pois o arqueólogo tinha um velho amigo, que os ajudaria a descobrir o que “aquilo” era. O telescópio era high-tech, o que permitiu ver em exatidão o achado dos DiCarlli. Descobriram que aquele corpo não estava em mapa nenhum, em nenhuma descoberta (nem da NASA), mas que tinha provavelmente o diâmetro da lua. Parecia estar envolto numa espessa poeira negra, mas de algumas partes, o corpo emanava uma luz azul. Foi dado o nome de Pérola Negra, instigando cada vez mais a imaginação de todos.

A NASA interessou-se pela história, e depois de muita preparação uma nave com 11 tripulantes – incluindo Tony DiCarlli parte em direção ao desconhecido, ao inimaginável.




***




Geralmente eu não tenho problemas em resenhar um livro, porém com DIÁRIO DE BUSCA, tive uma experiência completamente nova ao me ver com o word aberto e não fazendo a mínima ideia de como prosseguir. Não pelo livro ser ruim, exatamente pelo contrário: o livro é ótimo! É realista! Sinceramente, tentei não me envolver tanto com a história. Mas ela é tão impressionante, tão inesperada que às vezes me flagro olhando para o céu e pensando em Pérola Negra.


Só posso dizer uma coisa: leiam! Duas, três vezes, mas leiam e se surpreendam como eu me surpreendi (e venham falar comigo depois, vou adorar conversar sobre as teorias de vocês).



Título Original: Diário de Busca
Autor: W- Souza
Ano de Publicação: 2015
Número de Páginas: 342
Editora: Chiado
Classificação: Literatura Brasileira; Aventura
Aonde Comprar:

segunda-feira, 18 de abril de 2016


Livros e Opinião

Diário de Busca

Resenhar “Diário de Busca” dos escritores catarinenses Wânio e Wolnéia é muito complicado. Normalmente durante as resenhas, os blogueiros por mais discretos que sejam, sempre acabam deixando escapar alguns detalhes sobre a trama. Ocorre que o autor juntamente com a sua irmã Wolnéia A. Souza adotaram uma estratégia muito inteligente para divulgar a obra, represando toda e qualquer forma de spoiler. Quer seja no site da editora Chiado, no blog do autor ou nos releases distribuídos para os blogs literários, as informações sobre o enredo eram ínfimas, mas surpreendentemente curiosas. Geralmente tratavam-se de trechos aleatórios do enredo ou características de alguns personagens que não comprometiam a essência da história. Bem, essa estratégia de marketing somada ao título chamativo do livro, com certeza despertou a curiosidade dos leitores. 
Por isso, creio que seria injusto, escrever uma resenha que revelasse detalhes da trama, estragando assim, todo o trabalho de divulgação. Mesmo acreditando que já circulam na rede algumas resenhas com spoilers, prefiro ficar em paz com a minha consciência.
Deixando os floreios de lado, vou direto ao que interessa: o livro é muito bom. Não querendo bancar o ‘língua de spoiler’ posso dizer que parte da história se passa no planeta terra, em nossa época, e a outra parte no espaço sideral.
Souza amarrou muito bem a sua linha narrativa, não deixando situações soltas, passagens mal explicadas ou personagens perdidos e desinteressantes na trama. Cara, são muitos personagens; mesmo porque na primeira parte da trama, Souza conta a saga de uma família, passando por três gerações. Na sequencia quando o foco narrativo se desloca para o espaço, somam-se mais personagens. Quando percebemos, estamos cara a cara com uma miscelânea de nomes e não precisa ser nenhum ‘bidu’ para descobrir que quanto mais personagens um autor coloca em sua história, maior o risco dele errar a mão.
Já li sagas parecidas com maioneses caseiras desandadas. Sabe quando você começa a bater uma maionese no liquidificador? Pois é, no início ela fica um ‘creme só’, linda de morrer; entonce, você erra a mão, coloca um pouco mais de óleo do que deveria e buuummm! Aquele creme bonito vira uma gosma feia e indigerível. È assim, também com as sagas literárias ‘forradas’ de personagens. Se o autor erra a mão, já era. Então, o  início promissor, a exemplo da tal maionese, também desanda.
Por isso, ao começar a ler “Diário de Busca”, cada vez que era inserido um novo personagem, juro que ficava receoso, porque estava gostando muito enredo e temia que ele ‘desandasse’. Mas conforme a leitura se desenvolvia, o receio também ficava para trás porque os personagens iam se adequando perfeitamente a trama.
“Diário de Busca” tem momentos tensos, alegres e tristes. Fiquei surpreso com a morte de uma personagem. No início até pasmado, mas depois no decorrer da leitura, entendi que aquela perda seria necessária para o crescimento de um outro personagem e consequentemente uma virada essencial no enredo.
Os personagens Leopoldo e Tony são muito carismáticos. Ana Paula, apesar de aparecer pouco, é encantadora.  Juliana, Russo, Drª Mey, Layla, Eval, Leopoldina, enfim, todos são carismáticos à sua maneira. Quanto aos vilões, estão mais presentes na segunda parte da história, mas vale à pena esperar porque eles não negam fogo e pior: e espalham o caos perto do final.
Confesso que é triste vermos autores brasileiros com enredos fantásticos como
“W- Souza, Flavio St Jayme, Wemerson Damasio, César Bravo, Raphael Miguel e outros serem obrigados a lançar seus livros através de uma editora fora do País ou então de maneira independente em e-books.
Ponto a menos para as nossas editoras que estão perdendo verdadeiros filés literários.
Inté!

segunda-feira, 11 de abril de 2016


O Cafofo Literário

W-SOUZA [Parceiros do Cafofo] | #ConversaLiterária
 

Olá meus amigos e amigas! Há algum tempo fechei parceria com os autores Wânio e Wolnéia, do DIÁRIO DE BUSCA. Um livro surpreendente, devo dizer. 
E nada mais justo do que apresentá-los a vocês e conhecer um pouco sobre eles e o processo criativo desse livro que tem de tudo um pouco. 

Quando mandei o e-mail com as perguntas, fiquei até preocupada em ser "invasiva demais", mas eles foram muito gentis e responderam a todas as perguntas. 

Confiram! 





Blog O Amante De Livros
EDITORA CHIADO

RESENHA — DIÁRIO DE BUSCA — W SOUZA

DOMINGO, ABRIL 10, 2016
Livro: Diário de Busca Autor: W Souza Editora: Chiado Editora - Cortesia Páginas: 342 - Ano:  2015 Gênero: Ficção /Ficção Científica Skoob: Adicione na estante Nota: 4/5 ♥ Sinopse: O incansável explorador dá de ombros e não se deixa abater, tentando demonstrar maturidade e controle. Eval tinha razão, muito ainda estava por vir, aquilo era só o começo.  Aprendeu...